Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Duas Amigas, Um Blog

Duas amigas de longa data e algumas das histórias que têm para contar. No fundo duas raparigas com uma grande capacidade para dizer parvoíces..

Duas Amigas, Um Blog

Duas amigas de longa data e algumas das histórias que têm para contar. No fundo duas raparigas com uma grande capacidade para dizer parvoíces..

Longa a vida à segurança social

Ora bem, tenho andado um bocado fora de circulação por causa de uma coisinha deveras importante que é fazer a prova de recursos da segurança social. Como se sabe, essa prova serve para que as pessoas que recebem ajudas a possam continuar a ter, mediante o preenchimento online de um inqueritozinho.

 

 

Vi-me então perante a necessidade de o fazer e pensei que seria algo relativamente rápido, mas como em tudo, quem ajuda não facilita. Primeiro que tudo tem que se estar inscrito na segurança social directa, coisa quen até se faz bem. Depois tem que se ter uma senha. Fácil? Sim. Rápido? Não. A senha leva 8 dias a chegar, se uma pessoa tiver sorte, mas ok, percebe-se. E o prazo para preencher até nem é pequenino (milagre!), por isso aguenta-se bem a espera.

Depois vem a parte complicada. É que no inqueritozinho tem que se responder a coisas. Recomendo que saiba quem faz parte do agregado familiar, é uma noção vital.

E depois pedem lá coisas que uma pessoa não tem ali à mão, tipo os valores das contas bancárias, certificados de aforro, acções e cenas assim até ao dia 31 de Dezembro de 2009. E lá tem que ir uma pessoa pedir/descobrir isso. Mas atenção, uma pessoa só sabe estas coisas depois de algum tempo de investigação, nomeadamente a conversa com um funcionário da seg. social, porque embora os anexoszinhos tão queridos que são disponibilizados esclareçam logo as pessoas, uma pessoa demonstra aí todo o seu glorioso disturbio obsessivo-compulsivo e vá de ter a certeza, porque se sabe que com coisas sérias destas todo o cuidado é pouco.

Depois, há outro monte de perguntas que só se têm de preencher se ou porque, mas às vezes não é preciso. É só a pessoa ter total controlo das suas certezas financeiras e já está. E se recebe abono, se recebe subsidio lá vem mais um monte...

Então e se a pessoa recebe ajudas de outras entidades bolas aí então...mas aqui em casa ninguém recebe portanto não sei até que ponto se teria que pedir coisas, nem quero imaginar!

Claro que pequenas questões privadas uma pessoa nem imagina se seriam aplicadas, mas como saber? Recomendo uma ida a uma dependência da seg. social, porque se vão estar à espera de telefonar para o numerozinho tão bonitinho que nos é apresentado como disponivel das 8h-22h em dias uteis, então bem podem arranjar um telefone que marque sozinho porque nunca é possivel que atendam a nossa chamada. Mas não desesperem, porque são bem tratados, afinal a gravação despede-se com um alegre "para esclarecer dúvidas, contacte o número da seg. social, todos os dias uteis das 8h às 22h". Humor negro, diria eu.

 

Pronto vou calar-me, mas é que não seria tão mais fácil pedirem que a pessoa fosse a uma seg. social, falasse com um funcionário que, diga-se, está lá para ajudar e a ganhar dinheiro por fazer o seu trabalho, e aí as pessoas saberiam logo o que precisavam, em vez de andar para cá e para lá com duvidas e papéis, e é porque este não serve, este é só até ao dia "x", este tem que trazer, e seria tudo mais fáil, mesmo que a pessoa fizesse na mesma o preenchimento em casa.

Mas compreendo que seja duro para todos fazer o enorme sacrificio de atender pessoas e tratar de coisas de que a seg social se lembrou.

É a vida de quem precisa de ajuda.

Mas os meus pais agradecem, a sério.

 

Necas

1 comentário

Comentar post